Estatuto - Quem Somos - ABVC
Home
Quem Somos
Notícias Classificados Loja Virtual Fale Conosco Associe-se  Login
Blog
Eventos
Informações Técnicas
Informações Náuticas
Mural Meteoromarinha Outras Previsões
Home  >  Quem Somos  >  Estatuto  
Estatuto

CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO, OBJETO, SEDE E DURAÇÃO

Artigo 1.º A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE VELEJADORES DE CRUZEIRO - ABVC (a “Associação”) é uma associação civil, sem fins lucrativos, constituída por velejadores e demais pessoas interessadas em esportes náuticos, com atuação em todo o território nacional, e será regida por este Estatuto e pelas disposições legais que lhe forem aplicáveis.

Artigo 2.º A Associação tem por objeto:

(a) Promover, a orientar e defender os interesses da classe de velejadores de cruzeiro.
(b) Assegurar as relações da classe, representando os legítimos interesses dos seus associado em todas as entidades públicas ou privadas;
(c) Promover o desenvolvimento de cursos voltados ao aprimoramento técnico de seus Membros;
(d) Estabelecer convênios com Iates Clubes, Marinas, Hotéis, Restaurantes, Lojas, Estaleiros, Escolas Náuticas e Prestadores de Serviços, em benefício de seus Membros;
(e) Manter e desenvolver o intercâmbio entre os Membros nas áreas dos interesses da classe;
(f) Promover regatas, cruzeiros e passeios em flotilha, em colaboração com os Clubes Náuticos ou demais entidades;
(g) Incentivar o desenvolvimento do esporte da vela pela prática segura do iatismo infanto - juvenil em todo o território nacional;
(h) Divulgar e orientar os seus Membros sobre as leis, normas e regulamentos publicados pela Marinha do Brasil e outras autoridades;
(i) Desenvolver e manter banco de dados com informações (relevantes ao navegante) do litoral brasileiro, visando fomentar a prática da vela de cruzeiro;
(j) Pesquisar e divulgar aos seus Membros as novidades tecnológicas em instrumentos, equipamentos e materiais de construção voltados à veleiros;
(k) Promover feiras, eventos, palestras e seminários voltados à vela de cruzeiro;
(l) Fomentar os contatos internacionais, especialmente com as organizações afins; e
(m) Buscar junto aos poderes públicos e entidades oficiais ou privadas, subvenções, incentivos fiscais, patrocínios, facilidades, recursos materiais e financeiros para custeio de seus objetivos.

Parágrafo Único - A Assembléia Geral poderá aprovar um Regimento Interno que disciplinará a forma como cada um desses objetivos será conduzido, bem como sobre o funcionamento da Associação.

Artigo 3.º A Associação tem sua sede e foro na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na rua Bela Cintra, 1970, Cerqueira Cesar, São Paulo – SP CEP 01415-002.

Artigo 4.º A Associação terá duração por prazo indeterminado.

CAPÍTULO II DOS MEMBROS E DAS FORMALIDADES DE ASSOCIAÇÃO

Artigo 5.º A Associação será integrada por cinco categorias de afiliados: Membros Efetivos, Membros Fundadores, Membros Remidos, Membros Temporários e Membros Honorários (coletivamente designados “Membros”).

Artigo 6.º A categoria de Membros Efetivos compreende quaisquer pessoas físicas que desejem se filiar à Associação.

§ 1o. - A admissão de novos Membros Efetivos será livre, desde que os candidatos não estejam impedidos de fazê-lo nos termos deste Estatuto.

§ 2o. - Para filiar-se à Associação, o candidato deverá efetuar o cadastro no web-site da associação.

Artigo 7.º Os Membros Fundadores são aqueles que participaram da Assembléia Geral de Constituição da Associação, tendo assinado a respectiva Ata, ainda que tal participação tenha sido feita por procuração. Os Membros Fundadores gozarão dos mesmos direitos e deveres dos Membros Efetivos, exceto que gozarão de prazo privilegiado para tornarem-se Membros Remidos. Além disso, durante os 5 (cinco) primeiros anos após a fundação da Associação, os Membros Fundadores terão o direito de (i) impugnar, independente de expor o motivo, a admissão de qualquer Membro Efetivo; e (ii) agindo em conjunto com todos os Membros Fundadores, apontar, independente de votação pela Assembléia Geral, o Diretor Presidente e o Diretor Financeiro da Associação.

Artigo 8.º Os Membros Remidos são aqueles que participaram da Associação como Membros Efetivos por um período igual ou superior a 20 (vinte) anos (não necessariamente consecutivos), ou como Membros Fundadores por um período igual ou superior a 10 (dez) anos consecutivos. Os Membros Remidos terão os mesmos direitos e deveres dos Membros Efetivos, entretanto os Membros Remidos estão desobrigados de pagar as anuidades instituídas pela Assembléia Geral. Não obstante, os Membros Remidos não estão isentos de pagar eventuais taxas para o uso de serviços específicos da Associação, caso referidas taxas sejam instituídas.

Artigo 9.º Poderão ser admitidos como Membros Temporários os estrangeiros ou residentes no exterior que estejam de passagem em cruzeiro pelo território brasileiro. A inscrição do Membro Temporário será feita mediante o preenchimento de uma ficha de inscrição e o pagamento de uma taxa de filiação, a ser determinada pela Assembléia Geral.

§ 1o. - A duração da inscrição de Membro Temporário será de dois anos, sendo que após esse período, se o Membro Temporário permanecer no território nacional e desejar permanecer na Associação, deverá pleitear sua inscrição como Membro Efetivo.

§ 2o. - Uma mesma pessoa poderá se inscrever como Membro Temporário por quantas vezes desejar, desde que entre cada uma das inscrições tenha decorrido um período mínimo de 6 (seis) meses e que, nesse período, referida pessoa não tenha permanecido no Brasil.

§ 3o. - Os Membros Temporários terão os mesmos direitos que os Membros Efetivos, exceto que (i) não poderão votar ou serem votados para os cargos eletivos; e (ii) não poderão tomar parte na Assembléia Geral. Além disso, por pagarem uma taxa de filiação específica, não estão obrigados ao pagamento das anuidades instituídas pela Assembléia Geral.

Artigo 10.º Membros Honorários são pessoas de destaque em suas atividades e que, em reconhecimento pelo seu empenho, a Associação as distingue, por decisão da Assembléia Geral, outorgando-lhes esse título honorário.

Parágrafo Único - Os Membros Honorários estão isentos do pagamento de contribuições à Associação e poderão usufruir de todas as condições e privilégios dos Membros Efetivos, exceto que (i) não poderão votar ou serem votados para os cargos eletivos; e (ii) não poderão tomar parte na Assembléia Geral.

Artigo 11.º São direitos dos Membros Efetivos, Fundadores e Remidos, desde que quites com suas obrigações para com a Associação e respeitados os limites deste Estatuto:

(a) Votar e ser votado para os cargos eletivos;
(b) Tomar parte nas Assembléias Gerais, discutindo e votando os assuntos constantes da pauta dos trabalhos, participar dos grupos de trabalho e promover atividades patrocinadas pela Associação;
(c) Gozar de todos os benefícios que a Associação vier a proporcionar na forma prevista pelos regulamentos aprovados;
(d) Solicitar informações e reclamar providências sobre irregularidades verificadas no funcionamento da Associação, inclusive de suas realizações, empreendimentos ou órgãos auxiliares de administração; e
(e) Integrar as comissões para as quais for designado, envidando esforços para bem cumprir os mandatos recebidos e os encargos atribuídos pela Diretoria e/ou pela Assembléia Geral.

Artigo 12.º São deveres dos Membros Efetivos, Fundadores e Remidos, respeitados os limites e isenções deste Estatuto:

(a) Cumprir as disposições estatutárias e regimentais;
(b) Acatar as determinações da Diretoria e as resoluções da Assembléia Geral;
(c) Desempenhar os cargos para os quais foram eleitos, nomeados ou aclamados, desde que não esteja impedido ou haja motivo para deixar de o fazer;
(d) Prestar à Associação toda a cooperação que estiver ao seu alcance, e esforçar-se pelo engrandecimento e desenvolvimento da Associação; e
(e) Pagar pontualmente as anuidades e demais contribuições instituídas pela Assembléia Geral até a respectiva data de vencimento.

Artigo 13.º A Diretoria poderá, a qualquer tempo, determinar a exclusão de Membros da Associação que:

(a) fiquem inadimplentes, por mais de 60 (sessenta) dias corridos, com qualquer contribuição obrigatória da Associação aprovada pela Assembléia Geral;
(b) tenham conduta incompatível com os objetivos da Associação ou que descumpram reiteradamente os termos deste Estatuto e do Regimento Interno, ou as suas obrigações para com a Associação, para com os demais Membros, ou para com eventuais parceiros da Associação em suas atividades; ou
(c) usem de má-fé, praticando atos ilegais ou que prejudiquem a imagem da Associação.

§ 1o. - A Diretoria deverá comunicar a expulsão por escrito, através de carta registrada, fax ou e-mail a ser enviado ao endereço do membro expulso constante dos arquivos da Associação.

§ 2o. - Para expulsões motivadas pela alínea (a) acima, o Membro expulso terá o prazo improrrogável de 30 (trinta) dias, a contar da comunicação da expulsão feita pela Diretoria, para saldar seus débitos, acrescido de juros de mora à mais alta taxa permitida pela legislação em vigor e de multa de mora de 2% sobre o valor do débito, podendo ser então, caso assim deseje, readmitido à Associação.

§ 3o. - A expulsão de um Membro em caso de inadimplência não elide a responsabilidade do Membro expulso de fazer o pagamento devido, podendo a Associação adotar quaisquer medidas que julgue necessárias para efetivar a cobrança dos valores devidos.

§ 4o. - Para expulsões baseadas nas alíneas (b) e (c), os Membros expulsos terão o prazo improrrogável de 30 (trinta) dias a contar da comunicação da expulsão pela Diretoria para apresentar recurso contra a sua expulsão, aduzindo seus argumentos de defesa e oferecendo as provas que entender necessárias. O recurso, que deverá ser apresentado ao Primeiro Secretário, mediante protocolo, será julgado pelo Conselho Diretor, que terá o prazo de 15 (quinze) dias a contar da data do protocolo, para proferir sua decisão. A decisão do Conselho Diretor é irrecorrível.

§ 5o. - Durante os 3 (três) anos seguintes à expulsão, os Membros expulsos com base nas alíneas (b) e (c) deste artigo não poderão voltar a fazer parte dos quadros da Associação.

Artigo 14. Os Membros, desde que tenham se afiliado à Associação por um período superior a 6 (seis) meses, poderão solicitar seu afastamento voluntário da Associação, mediante correspondência devidamente assinada, a ser enviada à Diretoria. Após o recebimento da correspondência pela Diretoria, o Membro que solicitar o afastamento ficará liberado de todas as obrigações para com a Associação, deixando também de fazer jus a quaisquer benefícios.

§ 1o. - O afastamento voluntário não dá direito à restituição, ainda que proporcional, das anuidades ou demais contribuições pagas à Associação.

§ 2o. - O Membro que se afastar da Associação ficará impedido de retornar aos quadros da Associação por um período de 12 (doze) meses após o afastamento.

§ 3o. – O membro que se afastar da Associação por estar velejando em cruzeiro em águas internacionais, poderá, desde que comprovada essa situação, manter-se sócio, sem o pagamento da anuidade aqui estipulada.

CAPÍTULO III DO PATRIMÔNIO SOCIAL

Artigo 15. O patrimônio da Associação será constituído pelas contribuições anuais dos Membros e por quaisquer outras doações, subvenções e receitas que a Associação pode vir a ter em decorrência de suas atividades.

Artigo 16. Todo o material permanente, acervo técnico, bibliográfico, equipamentos adquiridos ou recebidos pela Associação em convênios, projetos ou similares, incluindo qualquer produto, são bens permanentes da sociedade e inalienáveis, salvo autorização em contrário expressa pela Assembléia Geral.

Artigo 17. A contribuição anual dos Membros terá seu valor fixado na Assembléia Geral Ordinária, ou mediante o voto de dois terços dos Membros Efetivos e Fundadores, manifestado por escrito.

Artigo 18. Os recursos da Associação serão aplicados integralmente na manutenção dos seus objetivos sociais.

CAPÍTULO IV DA DIREÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO

Artigo 19. A Associação será dirigida por uma Diretoria não remunerada, composta por um conselho Diretor, composta pelos ex-presidentes da associação e um conselho executivo, composto por 18 (dezoito) Membros Efetivos, Fundadores ou Remidos, sendo um Presidente, 10 Vice-Presidentes Regionais, um Diretor Financeiro, duas diretoras Femininas, dois diretores para projetos Sociais, um diretor de Comunicação e um diretor de Informática, todos em pleno gozo de seus direitos civis e sociais.

Parágrafo Primeiro - Competirá à Diretoria (i) exercer a administração dentro da lei, do estatuto e regimento interno, tomando as medidas necessárias para a sua consecução; (ii) nomear funcionários, fixando-lhes vencimentos; (iii) autorizar despesas; (iv) resolver os casos omissos deste Estatuto Social ou do Regimento Interno da Associação; e (v) criar comissões e departamentos à medida que se fizer necessário para o crescimento da Associação.

Parágrafo Segundo – No caso de vacância do cargo de Presidente, será indicado pelo conselho diretor, membro da diretoria para assumir o cargo.

Artigo 20. Os Diretores serão eleitos em Assembléia Geral Ordinária, por maioria de votos, e terão um mandato de 2 (dois) anos, prorrogável até que seus sucessores sejam eleitos, sendo admitida uma reeleição.

Artigo 21. O Conselho Diretor, juntamente com o Presidente do Conselho Executivo serão os principais dirigentes da Associação, responsáveis pela implementação de suas atividades e pelo desenvolvimento dos seus objetivos. A eles competirá (i) zelar pelo cumprimento deste Estatuto e do Regimento Interno da Associação; (ii) representar a Associação ativa e passivamente, judicial e extrajudicialmente; (iii) presidir as reuniões da Assembléia Geral e da Diretoria; (iv) dirigir e orientar as atividades da Associação; e (v) juntamente com o diretor financeiro, sempre com a assinatura de dois membros, autorizar a movimentação de fundos da Associação, bem como abrir, encerrar e movimentar contas bancárias.

Parágrafo único: A assinatura de dois membros dentre o presidente, os membros do conselhor diretor e o diretor financeiro, poderão autorizar a movimentação de fundos da associação, bem como abrir, encerrar e movimentar as contas bancárias.

Artigo 22. São atribuições do Diretor Financeiro, e na sua ausência, do Vice Presidente de São Paulo: (i) cuidar da contabilidade da Associação, mantendo-a sempre em dia e com os respectivos comprovantes de cada lançamento, prestando contas a cada reunião da Diretoria e a cada Assembléia Geral Ordinária; (ii) enviar as cobranças e efetuar os recolhimentos das contribuições dos Membros; (iii) efetuar os recolhimentos de doações, subsídios e outras receitas da Associação; (iv) proceder ao envio de eventuais doações aprovadas pela Diretoria ou pela Assembléia Geral; (v) efetuar o pagamento dos débitos contraídos pela Associação, cuja certeza e liquidez tenham sido certificadas pelo responsável pela assunção da obrigação, desde que com poderes para tal; (vi) desempenhar qualquer outra atribuição que lhe seja confiada pela Diretoria.

Artigo 23. São atribuições do Diretor de Comunicação: (i) fazer as comunicações prévias necessárias para com os associados; (ii) fazer as comunicações prévias, preparando pautas, releases e outras que forem necessários para a imprensa e órgãos correlatos; (iii) abastecer o Blog da associação das informações sobre as atividades que estiverem sendo desenvolvidas na associação; (iv) divulgar os eventos da Associação junto aos Membros e aos demais velejadores de cruzeiro nacionais ou estrangeiros, conforme o caso, convidando-os a participar de suas atividades; e (v) desempenhar qualquer outra atribuição que lhe seja conferida pela Diretoria.

Artigo 24. São atribuições dos Vice-Presidentes Regionais, no âmbito da região para a qual foi designado, organizar e administrar eventos regionais, com o apoio da Diretoria, zelando pela correta aplicação das verbas designadas para cobrir eventuais custos, desde que antecipadamente apresentados os projetos prévios para aprovação pela Diretoria.

Parágrafo Primeiro - Compete aos Vice-Presidentes Regionais: (i) assessorar a diretoria no planejamento das atividades da Associação, fornecendo a esta os subsídios necessários com relação à sua área de atuação; (ii) pronunciar-se sobre questões internas e externas que lhe forem submetidas pela Diretoria; (iii) opinar previamente sobre propostas de alterações estatutárias aprovando a suas alterações a serem submetidas em reunião da Assembléia Geral e (iv) pronunciar-se sobre questões que lhe forem submetidas e que envolvam entendimentos, acordos e relacionamentos com autoridades publicas, outras associações ou entidades.

Parágrafo Segundo – Poderá haver designação pela diretoria, entre os membros da associação, de Vice-Presidentes Regionais, para as regiões de grande relevância para a Vela de Cruzeiro e que não estiverem contempladas com este cargo até então. Terão um mandato de até 2 (dois) anos, devendo coincidir com o mandato da diretoria que o designou.

Artigo 25. O Diretores de Projeto serão designados pela Diretoria da Associação entre os Membros da associação, sempre que o desenvolvimento das atividades da Associação assim o exigir, para um mandato pelo prazo necessário à execução do projeto. Caberá ao Diretor de projeto, no âmbito do projeto para o qual foi designado, organizar e administrar o mesmo, com o apoio da Diretoria, zelando pela correta aplicação das verbas designadas para cobrir eventuais custos, desde que antecipadamente aprovadas pela Diretoria. Os projetos prá estabelecidos da associação são: Cruzeiro Costa Leste; Cruzeiro Costa Sul; Encontro Nacional e Palestras e eventos regionais.

Artigo 26. São atribuições da diretoria feminina, (i) estimular a adesão de novas associadas e a integração social das mulheres; (ii) pronunciar-se sobre questões internas e externas que lhe forem submetidas pela Diretoria; (iii) opinar previamente sobre as festas, eventos e outros eventos sociais e (iv) outros assuntos de interesse.

Artigo 27. São atribuições da diretoria de responsabilidade social, (i) desenvolver projetos de relevância social, podendo ou não integrar os eventos da associação;

Artigo 28. São atribuições da diretoria de informática, (i) o desenvolvimento e manutenção do web site da associação; (ii) organizar e administrar as atividades ligadas à informática e (iii) moderar as mensagens nas listas de discussão da associação.

Artigo 29. Todos os atos e documentos que impliquem em qualquer obrigação para a Associação, como garantias e escrituras de qualquer tipo, cheques, notas promissórias, duplicatas, ordens de pagamento bancárias, instrumentos de débito em geral, contratos, incluindo contratos de empréstimo, e quaisquer documentos especificados ou não nesta cláusula deverão conter a assinatura de (i) dois Diretores, sendo um deles obrigatoriamente o Presidente ou o Vice-Presidente; ou (ii) um membro do conselho Diretor em conjunto com um procurador; ou (iii) dois procuradores com poderes específicos, agindo em conjunto.

Parágrafo Único - As procurações outorgadas pela Associação o serão pelo Presidente, em conjunto com mais um membro do conselho Diretor e, além de mencionarem expressamente os poderes conferidos, deverão, com exceção daquelas para fins judiciais, ter um período de validade limitado.

CAPÍTULO V DO CONSELHO DIRETOR


Artigo 30. O Conselho Diretor compõe-se de todos os ex-presidentes da associação, desde a sua fundação, não remunerados.

Artigo 31. O Conselho Diretor tem o encargo de (i) examinar os livros contábeis e documentos relativos à escrituração da Associação; (ii) examinar o relatório e o balanço anual da Diretoria e emitir parecer para aprovação em Assembléia Geral; (iii) fiscalizar as atas das Diretorias; (iv) verificar o estado do caixa e os valores em depósito; (v) estudar e opinar sobre a situação financeira da entidade; (vi) julgar recursos de Membros expulsos da Associação e (v) aprovar as contas.

Artigo 32. O Conselho Diretor se reunirá, ordinariamente, uma vez a cada semestre, e extraordinariamente por convocação do Presidente do conselho executivo ou por solicitação da maioria simples dos conselheiros.
Parágrafo único: As deliberações do Conselho Diretor serão tomadas pela maioria simples de votos dos conselheiros presentes e registrados em livro próprio de ata. Em caso de empate, o voto minerva será sempre do presidente do conselho Executivo.

CAPÍTULO VI DAS ASSEMBLÉIAS GERAIS E REUNIÕES DA DIRETORIA

Artigo 33. Anualmente, preferencialmente na primeira sexta-feira do mês de novembro, realizar-se-á a Assembléia Geral Ordinária, para a apresentação das atividades havidas no período e para o Presidente e o Diretor Financeiro prestarem contas das receitas e despesas havidas, bem com demonstrarem a situação financeira da Associação.

Artigo 34. A Assembléia Geral Extraordinária poderá ser convocada a qualquer tempo, (i) por decisão do Presidente; (ii) por decisão de no mínimo três Diretores; ou (iii) por decisão de no mínimo 25% dos Membros Efetivos, Fundadores e/ou Remidos.

Artigo 35. As Assembléias Gerais Extraordinárias que objetivarem alterar o estatuto social deverão ter quorum de pelo menos 50% dos Membros da diretoria.

Artigo 36. Somente poderão votar na Assembléia Geral os Membros Efetivos, Fundadores e/ou Remidos civilmente capazes e que façam parte da Associação por um período mínimo de 6 (seis) meses.

Artigo 37. As convocações para as Assembléias Gerais serão feitas através de (i) carta com aviso de recebimento, postadas com antecedência mínima de 10 (dez) dias para as Assembléias Gerais Extraordinárias e de 30 (trinta) dias para a Assembléia Geral Ordinária; (ii) via e-mail; ou (iii) via publicação de edital no boletim da Associação, se houver, no momento da convocação, um boletim circulando regularmente. A convocação deverá conter, de forma sucinta, uma descrição da pauta a ser discutida.

Artigo 38. Estando as convocações regulares nos termos deste Estatuto, e respeitada a exceção para os casos em que a Assembléia vise alterar o estatuto social, não será exigido quorum mínimo de Membros para as deliberações na Assembléia Geral Ordinária e nas Assembléias Gerais Extraordinárias, que serão consideradas válidas com qualquer número de participantes, desde que as decisões sejam tomadas por maioria de votos. Os Membros poderão se fazer representar nas Assembléias através de procuradores com instrumentos de procurações com poderes específicos.

Artigo 39. As reuniões da Diretoria realizar-se-ão sempre que houver necessidade, mediante determinação do Presidente ou, na ausência deste, pelo seu substituto oficial. As reuniões serão convocadas pelo Secretário, através de cartas com aviso de recebimento postadas com antecedência mínima de 10 (dez dias), ou através de e-mail.

Artigo 40. As reuniões da Diretoria serão dirigidas pelo Presidente e as deliberações serão colhidas pela maioria de votos.

CAPÍTULO VII DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Artigo 41. A ABVC poderá aceitar auxílios, doações, contribuições, bem como poderá firmar convênios de qualquer natureza com organismos ou entidades públicos ou privados, nacionais ou estrangeiros, desde que não impliquem em sua subordinação ou vinculação a compromissos e interesses conflitantes com seus objetivos nem arrisquem sua independência.

Artigo 42. Os Membros e os Diretores não responderão individual, subsidiária ou solidariamente pelas obrigações da Associação.

Artigo 43. A apuração de resultados da Associação deverá ser feita no dia 31 de dezembro de cada ano.

Artigo 44. Em caso de dissolução da Associação, que será deliberada pela maioria de votos dos Membros Efetivos, Fundadores ou Remidos presentes em Assembléia Geral Extraordinária, o acervo da Associação será, após satisfeitas integralmente suas exigibilidades, revertido em favor de uma ou mais entidade congênere, sem fins lucrativos, sediada em território nacional. Alternativamente, o acervo poderá ser revertido em favor de entidades filantrópicas.


Nada mais havendo a tratar foi encerrada a Assembléia, da qual se lavrou a presente Ata, que, lida e achada conforme, vai assinada por todos os presentes. São Paulo, 14 de dezembro de 2010 (aa) Presidente da Mesa: José Mauricio Freire Napoleão.




Associação Brasileira
de Velejadores
de Cruzeiro

© 2013 ABVC
Quem Somos
      A ABVC
      Diretoria Interior
      Estatuto
      Atas
            Ata da criação
      Nossos Objetivos
      Benefícios para Associados
      FAQ
Associe-se
Notícias
Blog
Eventos
Informações Técnicas
Informações Náuticas
Mural
Meteoromarinha
Outras Previsões
Classificados
Loja Virtual